terça-feira, 14 de junho de 2011

Cena 839

Ainda há gnomos, mas escasseiam-se muito mais do que nos meus tempos de criança. Há quem diga não ter visto nunca um gnomo vivo. Lastimo sinceramente essa gente, pois deve ter a vista defeituosa ou os olhos cansados por ler em demasia. Talvez por isso as crianças de hoje pareçam tão sérias e ajuizadas, e se eduquem como seres sem alegria, sem ânsia de viver, sem pensamentos nem sonhos próprios. Os homens de hoje perdem muito tempo escutando o que dizem os outros; mais lhe aproveitaria atender devidamente às suas próprias ideias; podemos aprender a sabedoria dos outros, mas temos de buscar a prudência em nós mesmos. O manancial da sabedoria brota em nós na silenciosa profundidade das nossas ideias solitárias e dentro de nossos sonhos. A água dessa fonte é clara e fria como a verdade, e o sabor, amargo como a dor.

Axel Munthe em "O Livro de San Michele"

Um comentário:

Jopz_B1B disse...

Ótima.

Me fez lembrar do livro WALDEN de Thoreau.

JOPZ