domingo, 28 de março de 2010

Cena 219: Em busca do impossível

Procuro você, e não o encontro.

E quanto mais o procuro, mais anseio por encontrá-lo, aprisionada na sensação de que, ao encontrá-lo, encontrarei, enfim, a parte perdida de mim mesma, sem a qual jamais retornarei à minha unidade.

Procuro você, pessoa especial, capaz de guardar segredos já tão pesados dentro de mim, segredos da ternura que escorrega por minhas mãos estendidas à sua espera, por tanto, tanto tempo.

Procuro você que se deixe invadir pela música, até que ela o transporte, como faz a mim, a um campo verde e orvalhado onde seja possível respirar o ar puro de uma manhã vestida de esperança.

Procuro você que tenha coragem de levantar às quatro horas da madrugada para dançar na chuva ao som do Sinatra; e que ame de verdade a chuva — este pranto divino que lava a terra e prepara a alma; que se deixe levar pelo pôr-do-sol dourado sem medo de não retornar nunca mais, e que adormeça, junto a mim, embalado pelos acordes perfeitos de Sonata ao Luar.

Procuro você que me respeite como ser humano; que usufrua da doçura da minha feminilidade, mas também aplauda a força que me mantém viva; que seja forte e equilibrado para não se sentir ameaçado pelas minhas vitórias, e que continue forte e equilibrado para não se deixar abater pelas minhas derrotas.

Procuro você que queira de mim uma companheira, uma amiga, uma amante e um porto seguro, mas que nunca me tire a seiva que me nutre nem me sugue a vida ou tente me transformar naquilo que não posso e não quero ser.

Procuro você que através do mais infinito amor me liberte para que eu possa me alongar em você até que então, juntos, aprendamos a dançar o mesmo e perfeito compasso.

Procuro você que precise de mim por me amar inabalavelmente e que jamais me ame simplesmente por não poder viver sozinho. Que queira lutar ao meu lado contra o mundo inteiro, se preciso for e que me veja, sempre, como alguém igual a você.

Procuro você que me aceite como sou, que respeite minhas limitações e se orgulhe da coragem com que luto contra elas. Que compreenda meus silêncios e os veja como um processo profundo de auto-conhecimento e busca daquilo que é melhor para mim, pois quanto mais eu crescer, tanto maior será minha capacidade de me dar a você.

Procuro você que acenda, vez por outra, o fósforo que reaviva a chama da nossa paixão; que não se esqueça de me trazer flores e lembrar nossas datas especiais; que ligue num momento qualquer só para dizer que sentiu saudades, e que cerque de carinho ANTES de me sentir escapar.

Procuro você que fale sempre a verdade, mesmo que ela doa e faça sangrar, e ainda que a verdade seja contra tudo aquilo que julgarmos importante para nós tenha humildade suficiente para reconhecer-se humano e passível de errar.

Procuro você que se emocione quando eu disser baixinho que o quero tanto que chega a doer em mim, que me abrace forte quando houver tempestades lá fora e que converse comigo quando a insônia me fizer companhia.

Procuro você que seja sensível, carinhoso e sensual, que beije com a alma e sinta meu corpo como uma extensão do seu; que aprenda a desnudar meus mistérios e despertar meus desejos reprimidos e que me faça vibrar de amor e paixão para que, como recompensa, me receba então com toda a intensidade com que serei capaz de me dar.

Procuro você, minha metade perdida, minha metade escondida, para que viaje comigo àquela estrela distante a fim de que, transcendendo nossa condição de homem e mulher comuns, possamos realizar o nosso destino.

Nenhum comentário: