domingo, 13 de dezembro de 2009

Cena 134

No coração do silêncio, no coração da noite, com que freqüência perguntei a mim mesma aonde você poderia estar nesse exato momento? Em espírito eu o acompanho e dessa forma posso vê-lo com mais freqüência. Assim elas aproximam ainda mais, aquelas sombras das esquinas, aquelas sombras da minha solidão. Das paredes elas vêm rastejando e vêm para me pegar, elas bloqueiam a minha visão e a sala vai ficando maior, dentro dela vou ficando menor e o silêncio vai se tornando a música do meu coração, essa angústia vai se tornando a essência do meu coração, minha alma é forte e a esperança é feroz. Minha angústia é insaciável, meu amor é gentil e poderoso e ele me arranca de minha solidão...

Um comentário:

Taddeu Vargas disse...

Parabéns, gostei do texto e do blog. Diferente, bonito, consistente...atraente!
Sucesso! Te seguirei.
Abração.
Taddeu