quinta-feira, 13 de agosto de 2009

Cena 32: E então...

...o que eu vi era humanidade... E o que eu vi era estupidez. Alinhando com a tendência humana, comportamento animal eu esperei o dia inteiro e só vi as pessoas se apressando atrás de mim. Agora é tarde e as estradas estão vazias. Eu estou cansada... Onde eu ainda deveria ir? Na estrada do tempo já estou há horas. Eu estou no caminho que me conduz ao passado. Aqui e lá eu vi as pessoas profundamente envergonhadas, traídas e desapontadas, e já cedo na vida delas balançando na agonia da morte, conquistada ou conquistador, fortalecida ou destruída, só ódio resta no fim. E assim eles caem ao chão... Eu vi os pilares de fama de grandes homens e ainda ouvi as palavras deles, fui tocada e profundamente comovida, mas antes que eu visse o fim deles e também as visões deles eu vaguei pelas guerras. Vi o medo e a ruína, egoísmo, ódio cego, sempre estava presente aqui. E eu caminhei pela noite e vi somente mais e mais lágrima, e continuei caminhando e então eu vi o que era estupidez, e enquanto a manhã chegava e a noite deu passagem para o sol, jovem e selvagem, a grande era dos gregos mostrou-se para mim, e a esperança destas pessoas, a coragem deles e força encheram-me no meu caminho. Pela primeira vez com alegria e exausta de todas as vezes, eu me deito diante dos muros de Atenas e enquanto eu fecho meus olhos eu vejo o povo jovem juntando-se cheio de esperança e orgulho, encarando o Sol.

Lacimosa

Um comentário:

pati e lena disse...

amamos tua postagem. mas principalmente é simples e profundo teu perfil. "permaneço fora de mim... o lugar mais fácil de me encontrar..."
estaremos seguindo teu blog. se quiseres ser nossa amiga, seria um prazer. nosso blog é de moda: http://santapatricia07.blogspot.com/