segunda-feira, 3 de agosto de 2009

Cena 24: Congelada por dentro


Para onde foram meus sonhos? Presos nos portões de um lugar frio...
Para onde foi meu sorriso? Preso em um túmulo de concreto...
Tudo o que eu tenho agora é solidão. Sentada no canto mais escuro do quarto, sangrando e gritando por dentro, meus pedaços quebrados espelhados pelo chão. E ninguém para juntar.
Nunca pensei que sentiria tanta dor. E porque ninguém ouve?
Vou fechar meus olhos agora, e quando abrir quero tudo como era antes. Quero você sentado na minha cama dizendo "boa noite, durma bem". E quando eu chorar, Você me abraçará e me colocará no seu colo. "É tão seguro!". E quando eu sentir frio, Você me cobrirá com o mais aconchegante cobertor - seus braços. E se eu sangrar, me diga que sempre estará aqui, ao meu lado.
Por favor, eu preciso disso para viver, para respirar.
E quando eu implorar para ser livre, não deixe! Me force a ficar aqui, com você.
E depois do seu "boa noite", quando eu fechar os olhos, por favor, não suma de novo.
Por favor...

Evanescence

4 comentários:

Leo Yk disse...

Poxa Tainã, fica dif@icil comentar esse post.Eu tenho isso dentro de mim tb sabia_? legal que vc consegue expressar isso em palavras.

Tem selinho pra vc no meu blog.Passa lá pra pegar ok? bjinho

Mariposo-L disse...

Ihhhhhhhhhhhhhhh, que baixo astral poético, alis as vezes me pergunto porque os poetas adoram fazer a palavras sofrerem .. mas minha curiosidade os 'poetas " se sentem mesmo assim como escrevem ?

Bjs

ғ0rgəт▬mə▬n0t, disse...

Às vezes tb sinto algo tem parecido com isso.
Dá uma raiva né...
Mas ninguém é o tempo todo feliz.

Beijos!

Pattricia disse...

...Tainá...tantas vezes precisei desse abraço que não acontecia...como sinto tudo isso uns dias para desaparecernoutros...

besitos Pattricia