segunda-feira, 3 de agosto de 2009

Cena 24: Congelada por dentro


Para onde foram meus sonhos? Presos nos portões de um lugar frio...
Para onde foi meu sorriso? Preso em um túmulo de concreto...
Tudo o que eu tenho agora é solidão. Sentada no canto mais escuro do quarto, sangrando e gritando por dentro, meus pedaços quebrados espelhados pelo chão. E ninguém para juntar.
Nunca pensei que sentiria tanta dor. E porque ninguém ouve?
Vou fechar meus olhos agora, e quando abrir quero tudo como era antes. Quero você sentado na minha cama dizendo "boa noite, durma bem". E quando eu chorar, Você me abraçará e me colocará no seu colo. "É tão seguro!". E quando eu sentir frio, Você me cobrirá com o mais aconchegante cobertor - seus braços. E se eu sangrar, me diga que sempre estará aqui, ao meu lado.
Por favor, eu preciso disso para viver, para respirar.
E quando eu implorar para ser livre, não deixe! Me force a ficar aqui, com você.
E depois do seu "boa noite", quando eu fechar os olhos, por favor, não suma de novo.
Por favor...

Evanescence

4 comentários:

Leo Yk disse...

Poxa Tainã, fica dif@icil comentar esse post.Eu tenho isso dentro de mim tb sabia_? legal que vc consegue expressar isso em palavras.

Tem selinho pra vc no meu blog.Passa lá pra pegar ok? bjinho

Anônimo disse...

Ihhhhhhhhhhhhhhh, que baixo astral poético, alis as vezes me pergunto porque os poetas adoram fazer a palavras sofrerem .. mas minha curiosidade os 'poetas " se sentem mesmo assim como escrevem ?

Bjs

Anônimo disse...

Às vezes tb sinto algo tem parecido com isso.
Dá uma raiva né...
Mas ninguém é o tempo todo feliz.

Beijos!

Pattricia disse...

...Tainá...tantas vezes precisei desse abraço que não acontecia...como sinto tudo isso uns dias para desaparecernoutros...

besitos Pattricia